A Koppert disponibiliza mais de 30 espécies de macrorganismos

A Koppert disponibiliza mais de 30 espécies de macrorganismos

Gonçalo Duarte é o responsável pelo portfólio de insetos predadores de pragas na Koppert a nível mundial. É um apaixonado por Entomologia e Agronomia.

Jan Koppert lançou no mercado o primeiro ácaro predador (Phytoseiulus persimilis) há mais de 60 anos. Como caracteriza a gama atual de macrorganismos da Koppert?

O pioneirismo do desenvolvimento de uma solução tão eficaz como o Spidex (Phytoseiulus persimilis) foi marcante para a definição da Koppert e do próprio setor e conceito de controlo biológico. Hoje, resultado de um permanente investimento em desenvolvimento e investigação, a Koppert disponibiliza mais de 30 espécies de macrorganismos em todo o mundo. A gama atual é ampla e versátil permitindo ao agricultor uma solução adequada para cada situação.

Rhyzobius lophanthae (Rhyzobug) é uma das novidades da Koppert para controlo de cochonilhas-de-escudo. Fale-nos dela.

Rhyzobug é um produto que consiste em 500 adultos do predador Rhyzobius lophanthae num pequeno tubo de cartão. Trata-se de uma joaninha (coccinelídeo) especializada em alimentar-se de cochonilhas-de-escudo (diaspidídeos), como são a cochonilha de São José (Quadraspiotus perniciosus) e a cochonilha-pinta-vermelha (Aonidiella aurantii). Este predador prefere alimentar-se em zonas com altas densidades de presa, sendo por isso uma excelente ferramenta para a redução de focos de praga. Os adultos põem os ovos debaixo do escudo da cochonilha e, após a eclosão, a larva alimenta-se desta produzindo um orifício irregular facilmente identificável. Rhyzobug pode ser utilizado em qualquer cultura que tenha problemas com diaspidídeos como os citrinos, plantas ornamentais, kiwi, etc.

Quais são os macrorganismos da Koppert mais eficazes no controlo biológico de pragas em culturas de ar livre?

Existem várias soluções com provas dadas em culturas de ar livre. Entre elas, Spical Ulti-mite (saquetas aluminizadas que contêm o ácaro predador Neoseiulus californicus), especialmente concebido para condições de ar livre, é amplamente utilizado contra ácaros em citrinos, macieira e abacate, por exemplo. Para o controlo de cochonilhas-algodão é frequente a utilização de Citripar (o parasitóide Anagyrus vladimiri) e Cryptobug (o predador Cryptolaemus montrouzieri) em culturas como citrinos e vinha, por exemplo.

Que novidades prevê a Koppert apresentar nos próximos anos na gama dos Macrorganismos?

Koppert tem um departamento de investigação e desenvolvimento de excelência. Neste momento, existem vários projetos importantes em curso com vista a dar aos agricultores soluções para problemas crescentes com tripes, afídeos, cochonilhas e ácaros, por exemplo. O futuro trará não só novas espécies, mas também novos sistemas de aplicação e distribuição.

Os macroorganismos prestam um serviço de ecossistema à agricultura?

Existem diferentes tipos de serviços dos ecossistemas que incluem serviços de provisão (de alimentos, matéria-prima, etc.), serviços culturais (recreação, educação, etc.), e serviços de regulação (regulação do clima, purificação de água, etc.)

A ação dos macrorganismos (que neste caso são insetos e ácaros) inclui-se no serviço de regulação uma vez que prestam o serviço de regulação de pragas. Através da sua atividade predadora ou parasita, os inimigos naturais contribuem para a manutenção das populações das pragas a níveis economicamente toleráveis.

O coccinelídeo Rhyzobius lophanthae (Rhyzobug) é especialista em alimentar-se de cochonilhas-de-escudo